Sexta, 30 de Outubro de 2020 08:01
62 99863-8531
Cidades TRABALHO DESUMANO

Ação resgata 36 trabalhadores em situação análoga à escravidão no interior de Goiás

Eles não tinham registro, alguns dormiam em locais improvisados e não tinham estrutura de banheiro. Locais foram interditados e responsáveis, multados.

07/10/2020 12h46
Por: Kamila Reis Fonte: G1
Homens são resgatados de trabalho análogo à escravidão — Foto: Superintendência do Trabalho/Divulgação
Homens são resgatados de trabalho análogo à escravidão — Foto: Superintendência do Trabalho/Divulgação

Uma operação resgatou 36 trabalhadores que estavam em situação análoga à escravidão em cidades do interior de Goiás. Eles trabalhavam a extração de madeira de eucalipto, pedra portuguesa e produção de carvão. Três menores estavam trabalhando e parte do grupo não tinha sequer estrutura de banheiro.

A Superintendência Regional do Trabalho em Goiás e o Ministério Público do Trabalho fizeram a ação entre os dias 21 de setembro de 2 de outubro nas cidades de Catalão, Campo Limpo de Goiás, Joviânia e Vicentinópolis. Os nomes dos sete empregadores não foram divulgados.

Nenhum deles tinha registro e não recebia direito trabalhistas como férias, 13º salário e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Os salários pagos a eles eram, em média, R$ 1,5 mil. Os menores, no entanto, recebiam apenas R$ 500.

Os trabalhadores não recebiam equipamentos de proteção ou ferramentas de trabalho, precisando comprar com o próprio dinheiro ou tendo o valor descontado em seu salário quando fornecido pelos empregadores. Alguns deles ficavam alojados em estruturas improvisadas, sem local para cozinhar e sem receber uma quantidade suficiente de água potável.

Metade dos trabalhadores são do estado de Goiás e a outra metade, de outros locais, mas que vieram para o estado em busca de trabalho. Como não conseguiram outras oportunidades, acabaram aceitando essas condições para ter uma forma para sobreviver”, disse o auditor-fiscal do trabalho e coordenador da operação, Roberto Mendes.

Os sete empregadores que mantinham os funcionários em condições similares à escravidão tiveram as empresas interditadas. Somadas, as verbas rescisórias totalizam R$ 365 mil. Dois deles pagaram os direitos trabalhistas aos funcionários. Com relação aos demais, será aberta uma ação civil pública para conseguir, na Justiça, o pagamento dos direitos trabalhistas.

Foram aplicados cerca de 150 autos de infração, que totalizam mais de R$ 1 milhão. Eles ainda podem responder por manter alguém em situação análoga à escravidão. A pena pode chegar a oito anos de prisão.

Os empregadores são pessoas que já trabalharam antes em carvoarias, pedreiras, e decidiram ter o próprio negócio, então eles dizem que esse tipo de trabalho sempre foi feito assim, que os encargos trabalhistas são muito altos e, se fossem pagar, não conseguiriam manter o negócio”, disse o auditor fiscal.

Trabalhadores eram mantidos em locais improvisados — Foto: Superintendência do Trabalho/Divulgação

 

Goiânia - GO
Atualizado às 07h43 - Fonte: Climatempo
23°
Nevoeiro

Mín. 22° Máx. 27°

23° Sensação
2 km/h Vento
83% Umidade do ar
90% (30mm) Chance de chuva
Amanhã (31/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 26°

Chuvoso
Domingo (01/11)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 26°

Sol com muitas nuvens e chuva